SOBRE A BRUCALDERON
A cozinha é um lugar mágico para mim, local onde posso criar e reinterpretar receitas e pratos incríveis. Meu objetivo é inspirar você à também colocar a mão na massa de uma maneira simples e descomplicada, fazendo com que o ato de cozinhar lhe traga descontração e muita alegria.  
Jundiaí / São Paulo
Preparado com carinho pela Bru. 2016-2018
Please reload

Posts Recentes

A MELHOR RECEITA DE DADINHO DE TAPIOCA PARA VOCÊ FAZER EM CASA

September 26, 2019

1/10
Please reload

Posts Em Destaque

A MELHOR RECEITA DE DADINHO DE TAPIOCA PARA VOCÊ FAZER EM CASA

26 Sep 2019

Você conhece o Dadinho de Tapioca?

 

Acho difícil, para não dizer impossível, algum brasileiro responder que não.

 

Aliás o petisco é tão, mas tão conhecido que até os estrangeiros o conhecem e alguns deles até inventam suas versões em restaurantes lá fora, acredita?

 

Na minha última viagem à Paris parei em um bistrô para tomar uma taça de vinho e comer um aperitivo. Escolhi o atraente “Perles du Japon” que em francês significa “Pérolas do Japão” e fiquei lá esperando curiosa para saber o que seria servido.

 

Eis que chega em minha mesa na mais nada menos que...

 

Sim, Dadinhos de Tapioca!!! 

Quer dizer, a aparência era idêntica, a cor era a mesma, o aperitivo era frito.. tudo parecia igual e por isso deduzi que eram dadinhos de tapioca.

 

Tirando o fato de que certamente haviam usado outro tipo de queijo, talvez uma muçarela, e que nenhum molho acompanhava o prato, os quadradinhos eram os mesmos servidos aqui no Brasil.

 

Você deve estar pensando que raio que a tapioca estava fazendo por lá, não é mesmo?

 

Pois saiba você que a tapioca granulada é usada em diversas receitas, em especial em sobremesas, na Indonésia. Mousses e cremes são preparados por lá com a tapioca granulada e portanto não temos a exclusividade do uso desse ingrediente no Brasil não.

 

Agora, é fato que o ingrediente é usado quase que sempre em receitas doces fora do país e a ideia de utilizar em um aperitivo salgado é sim nacional. Mas antes de te contar de quem foi essa brilhante ideia, aposto que deve estar se perguntando o que a tapioca granulada tem a ver com o Japão, uma vez que falei que ela é comum na Indonésia, não é mesmo?

 

Pois bem, para explicar qual a relação, começo contando a história de Kokichi Mikimoto.

 

Nascido na cidade de Toba, na província de de Mie, Kokichi trabalhava no pequeno negócio de udon (macarrão japonês). Cansado do trabalho de seus antepassados, ele começou a se interessar pelas pérolas e, mais especificamente, por como criar pérolas cultivadas. Na época já se sabia que a base para o cultivo de pérolas se fazia com a colocação de um núcleo de metal dentro de uma ostra para que ela formasse uma pérola com a liberação de uma secreção que tinha como função cobrir esse núcleo de metal.

 

O problema é que mesmo sabendo da teoria, ninguém conseguia colocar isso em prática.

 

Foram anos e muitos erros até que Mikimoto conseguisse colher cinco, isso mesmo apenas cinco, pérolas boas para 800 mil ostras que ele havia enxertado. Em 1893 ele abriu uma empresa e com o tempo só aperfeiçoou a técnica. Mikimoto chegou a ter filiais em Londres, Nova York, Xangai, Bombaim e Paris e certamente foi uma das figuras mais importantes no cultivo das Pérolas do Japão.

 

E o que o nome do prato que comi em Paris tem a ver com isso?

 

O fato de que “pérolas do Japão” é um apelido dado à tapioca granulada em muito lugares do mundo, incluindo a França. O apelido é uma clara referência entre as pérolas cultivadas no Japão e as pequenas bolinhas brancas da tapioca.

 

Incrível, não é mesmo?

 

E já que estamos falando de precursores, vamos então para o grande criador dos Dadinhos de Tapioca que teve a ideia de usar as tais “pérolas do japão” para criar uma receita salgada.

 

Rodrigo Oliveira, Chef do Restaurante Mocotó, do Esquina Mocotó e do Balaio IMS, é o grande responsável pela criação dessa receita que dominou o Brasil e agora está ganhando o mundo.

 

O Chef conta que uma colega da faculdade comentou com ele sobre um bolinho feito com a tapioca granulada que ficaria combinaria muito com o cardápio do Mocotó. O bolinho levava uma série de ingredientes e a única alteração que ele fez foi trocar o queijo minas pelo queijo coalho. Rodrigo conta que fez o bolinho diversas vezes e começou a oferecê-lo no restaurante mas sem incluí-lo no cardápio.

 

Ele dizia que o bolinho era difícil de manusear e por isso precisava de um tempo para ver se faria sucesso e poderia entrar para o menu. 

Até que um dia Rodrigo preparou a massa e teve que sair da cozinha antes de conseguir fazer o bolinho. Quando voltou, a massa tinha endurecido e virado uma placa dura. Quis jogar o preparo no lixo para começar uma nova massa mas na hora lembrou do preparo da polenta que é espalhada em uma assadeira, cortada e frita. 

 

 

Adivinhe só o que ele fez?

 

Cortou um pedaço da placa dura e colocou para fritar, dando origem ao quadrinho de tapioca frito mais famoso do Brasil.

 

Foram vários testes até chegar à receita final que é muito mais simplificada que a que deu origem ao bolinho. 

 

O seu nome? 

 

Diferente do elitizado “Pérolas do Japão”, os próprios clientes começaram a chamar o aperitivo de “Dadinho” pra cá e “Dadinho” pra lá até o nome emplacar e entrar para o cardápio.

 

Hoje em dia são diversas as receitas e variações do Dadinho de Tapioca e a verdade é que cada um dá o seu toque especial à ele. 

 

A única coisa que nunca muda é o fato dele ser servido com uma bela geleia de pimenta e sempre como aperitivo para ser apreciado com os amigos.

 

Hoje preparei a minha versão da receita e para servir essas deliciosas perolinhas transformadas em dadinhos, usei o Kit Petisqueira da Coleção Flamingo da Michel Design Works.