SOBRE A BRUCALDERON
A cozinha é um lugar mágico para mim, local onde posso criar e reinterpretar receitas e pratos incríveis. Meu objetivo é inspirar você à também colocar a mão na massa de uma maneira simples e descomplicada, fazendo com que o ato de cozinhar lhe traga descontração e muita alegria.  
Jundiaí / São Paulo
Preparado com carinho pela Bru. 2016-2018
Please reload

Posts Recentes

A MELHOR RECEITA DE DADINHO DE TAPIOCA PARA VOCÊ FAZER EM CASA

September 26, 2019

1/10
Please reload

Posts Em Destaque

RAVIÓLI COM RICOTA, QUEIJO E ERVAS AO MOLHO POMODORO

22 May 2019

Você também é apaixonado por massa fresca? Se considerarmos que há algo em torno de 30 milhões de brasileiros descendentes de italianos, é bem possível que sua resposta seja sim!

 

A massa é um dos alimentos mais consumidos em todos os países, sendo a Itália o líder do ranking. Apesar de ter o maior consumo e sua imagem diretamente ligada às pastas, a Itália não tem o título de criadora da massa. Registros históricos apontam que o macarrão teria chegado ao ocidente pelas mãos do italiano Marco Polo, que conheceu o alimento na China, no século XIII.

 

História vai, história vem e, quando macarrão chegou na Itália, sofreu diversas alterações: novos ingredientes, novas formas de preparo e novos formatos. Foi lá que o macarrão atingiu a impressionante marca de cerca de 500 tipos diferentes, quase todos inventados pelos italianos. Fusilli, penne, farfalle, tagliolini, pappardelle, rondelli e o nosso escolhido de hoje, ravióli!

O ravióli nasceu na Ilha da Sicília, berço de tantas outras deliciosas receitas da culinária italiana. Seu nome possui uma curiosidade que poucos brasileiros sabem, que é o fato de “ravióli” ser o plural de “raviolo”, sendo este o nome correto quando falamos da receita no singular.

 

Desta forma, na Itália, se fala “este é um delicioso raviolo de queijo” ou então “este prato é feito com deliciosos ravióli de queijo”. Interessante, não é mesmo? Porém, aqui no Brasil, adotamos a palavra “ravióli” para o singular e “raviólis” para o plural, e acho que podemos chamar da maneira que mais estamos acostumados, concorda? ☺

 

Mas calma que a curiosidade sobre o nome dessa massa não acaba por aí. Raviolo vem de graviolo que, em latim, significa pesado, cheio. E como no dialeto da ilha é comum não falar o “g” que vem antes do “r”, graviolo se tornou raviolo!

 

O primeiro registro histórico do prato de que se tem notícia é do século 14, em escritos de Francesco di Marco Datini, um vendedor de Veneza. O manuscrito era de uma receita de ravióli com ervas frescas, ovo e queijo, tudo cozido no caldo de carne.

 

Naquela época, os raviólis não tinham recheio, eram apenas círculos ou retângulos de massa colocado em sopas e caldos bem temperados com ervas e especiarias. Ovos, queijos, ricota e ervas foram os primeiros recheios introduzidos aos raviólis e se consolidam até hoje como os mais tradicionais.

 

Como eu adoro manter a tradição das histórias, decidi preparar meu ravióli com alguns dos itens clássicos e tradicionais, assim como o prato é preparado na Itália. A receita de hoje é de um clássico ravióli com ricota, queijo e ervas ao molho pomodoro!

O molho pomodoro, feito praticamente à base de tomates, também tem sua curiosidade histórica para contar. O tomate tem origem nas Américas, sendo que o tomateiro é nativo da região andina, que engloba Peru, norte do Chile e Equador. A fruta demorou para chegar à Europa e, apenas em meados do século XVI, desembarcou nas mesas europeias como decoração.

 

Isso mesmo, o tomate não era comido. Como não sabiam se a fruta era para ser apreciada ou se continha alguma substância tóxica, os europeus preferiam utilizá-la para enfeitar as mesas de grandes banquetes. E adivinha que povo foi o primeiro no mundo a abocanhar um tomate e passar a utilizá-lo como comida ao invés de enfeite?

 

Sim, os italianos! A fruta chegou à Itália com o nome de “pomo d´oro” que, em italiano, significa pomo de ouro. Assim que os italianos passaram a utilizar o tomate como comida, tiveram a brilhante ideia de cozinhá-lo, dando origem ao molho de tomates “pomodoro”. Se quiser saber mais sobre esse molho, acesse o post “Extrato de Tomate” clicando aqui. Por lá eu conto as diferenças entre molho, extrato e polpa de tomate, e ainda ensino a receita de delicioso molho para utilizar no nosso ravióli.

Para você preparar um autêntico ravióli em sua casa, precisará de dois utensílios presentes em todas as cozinhas italianas, o cilindro de abrir massas e o molde para ravióli. Aqui em casa eu uso a linha Atlas da Marcato para produzir massas.

 

A Atlas 150 Marcato é, sem dúvida, a máquina de macarrão mais versátil disponível no mercado. É também a mais vendida e conhecida no mundo, com fabricação italiana e patente registrada mundialmente. Ela já vem com a opção de produzir 3 tipos de massa: lasanha, fettuccine e tagliolini, ou seja, uma estação de trabalho perfeita.

 

Para a receita de hoje, você deve preparar a massa e passar na Atlas 150 no formato lasanha, que oferece uma folha de massa lisa. Em seguida, preencher a massa com o recheio e vai precisar, então, de um molde para cortar seus raviólis. Utilizei o molde de 65mm redondo dourado da Marcato para fazer lindos raviolis. A Marcato possui uma linha incrível de moldes que fazem toda a diferença na cozinha de qualquer apaixonado por gastronomia e, é claro, por massas!

O corpo dos moldes é produzido de aço cromado para um corte perfeito. O mecanismo de ejeção, operado por mola de aço, é projetado ao ser pressionado, oferecendo praticidade e o resultado esperado. Os moldes estão disponíveis em 3 cores: cobre, dourado e chumbo.

 

O acabamento é feito através de um processo especial chamado PVD (Physical Vapor Deposition), que consiste na aplicação de uma fina película de metal sobre o aço, fortalecendo o molde e garantindo um efeito estético brilhante. Os cabos dos moldes são feitos de madeira maciça, com acabamento de cera natural e gravados a laser. Seu formato é ergonômico, tornando-o estável e fácil de usar.

 

Os tipos de madeira foram projetados para combinar com as cores dos moldes: para a cor cobre, a madeira é o mogno, para o molde dourado, temos a faia, e para o chumbo, a nogueira canadense. Estão disponíveis nos seguintes formatos e tamanhos: quadrados (45 e 60 mm), redondos (38 e 65 mm), redondos lisos (38 e 50 mm) e flor (50 mm). Para limpá-los, basta passar um pano limpo e seco. Assim como as máquinas, não devem ser molhados. 

 

Eu não sei você, mas na minha cozinha quero um de cada desses moldes para produzir variados tipos de raviólis de forma prática e uniforme! E agora que já sabe tudo sobre o ravióli, que tal anotar a receita e correr preparar essa delícia para os seus convidados?