SOBRE A BRUCALDERON
A cozinha é um lugar mágico para mim, local onde posso criar e reinterpretar receitas e pratos incríveis. Meu objetivo é inspirar você à também colocar a mão na massa de uma maneira simples e descomplicada, fazendo com que o ato de cozinhar lhe traga descontração e muita alegria.  
Jundiaí / São Paulo
Preparado com carinho pela Bru. 2016-2018
Please reload

Posts Recentes

A MELHOR RECEITA DE DADINHO DE TAPIOCA PARA VOCÊ FAZER EM CASA

September 26, 2019

1/10
Please reload

Posts Em Destaque

COMO DEGUSTAR VINHOS - UM GUIA SIMPLES E RÁPIDO.

10 Nov 2017

Quem entra no mundo dos vinhos, um dos prazeres mais antigos do mundo, sempre afirma: É um caminho sem volta! Você está preparado para aprender essa arte? 

 

Lembrando, aqui não é lugar para enochatos, vamos construir nosso conhecimento passo a passo e receita a receita. Pois, uma das maiores diversões do vinho é harmonizar com a comida.  Desafio gigantesco que eu, a Bru e nossos amigos nos divertimos a cada nova experiência.

 

Aliás essa é uma palavra muito importante no mundo dos vinhos, cada um tem a sua percepção de acordo com o que experimenta. Eu posso gostar de vinhos minerais, a Bru de vinhos mais frutados e você pode gostar de vinhos mais amadeirados. Gosto é gosto, certo? O que define sua experiência e avaliação é a quantidade de conhecimento que você já tem e que futuramente irá adquirir.

 

E antes que a gente entre na discussão de preço de vinhos, já te aviso. Pode começar com aquele vinho de R$30 do supermercado, mas com o tempo você irá evoluir, ok? O mais importante é que você se divirta, experimente e viva o vinho da sua forma.

 

 

O QUE TODO MUNDO SABE SOBRE VINHOS...

 

Já é de conhecimento geral que você faz três coisas no vinho: você cheira, você olha e você bebe. Certo? O que você tem que fazer nesse processo é importante e eu vou passar o básico para você.

 

Nós usamos quase todos os nossos sentidos para apreciar o vinho. A visão, o olfato, o paladar e o tato (na boca). Só não consegui relacionar a audição ainda, mas alguns estudiosos (ou loucos, positivamente falando) começaram a analisar o efeito da música no momento da degustação, mas isso é assunto para outro post.

 

 

ME SERVIRAM UMA TAÇA E AGORA?

 

Não criemos um monstro! Se quiser... beba e aproveite. Agora... se quiser aproveitar o vinho em sua totalidade, aqui vão as dicas para você observar! Lembre-se que vinho é experiência. Quanto mais observar, mais você terá repertório de comparação.

 

 

Bebendo com os olhos!

 

O primeiro movimento ao ter o copo em mãos é olhar a cor do vinho. Tente sempre olhar contra algo branco, por exemplo uma parede. Dessa forma você verá o vinho bem próximo da sua cor certa. Importante aqui é ter taças sempre limpas e cristalinas.

 

 

Veja essa comparação de cores feita pelo blog wine folly

O foco é ver as diferentes capacidades de cores que os vinhos apresentam. A primeira coisa que eu começo a observar é o tom da cor.

 

Para tintos: Quanto mais Rubi, mais jovem ele é. Quando ele começa a ganhar uma cor Ambar (alaranjado) ele começa a mostrar características de idade.

Para brancos: Quanto mais pálido, esverdeado e amarelo claro mais jovem ele é. Quando ele começa a ganhar corpo e escurecer, ele começa apresentar os sinais da idade.

Para os rosés: Faça a mesma avaliação com a intensidade da cor.

 

As uvas influenciam na cor também. Um Tannat, um Cabernet Sauvignon, um Malbec ou Syrah, por exemplo tendem a ser mais encorpados e de cor intensa. Um Rubizão! rs... Já um Pinot Noir ou Carménère são mais claros com um Rubi um pouco mais pálido. 

 

DICA: Escolha uma uva e aprenda a avaliar as nuances dela dentro dos rótulos (os rótulos são as marcas dos vinhos). Tome uns 3 vinhos da mesma uva para criar referência. Depois vá experimentando outras uvas.

 

Um outro ponto que os apreciadores gostam de olhar são as lágrimas. Não, vinho não chora! As lágrimas ou pernas como chamam, trazem uma ideia de corpo e a quantidade de álcool. 

 

Pernas (ou lágrimas) bem definidas mostram que há álcool presente e evaporando da bebida. Caso não formem muitas pernas, isso significa que não há tanta resistência, ou seja, menos álcool.

 

 

Hora do nariz...

 

Uma das partes que mais gera comentários é sentir os aromas que o vinho libera. Existem uma infinidade de possibilidades, suas sensações serão baseadas na quantidade de aromas que você conhece. Veja essa roda de aromas que o pessoal da Grand Cru preparou para as degustações:

Eu por exemplo tenho um desafio grande em sentir os aromas, pois não tenho uma memória olfativa tão grande. Já a Bru que é cozinheira consegue explorar com mais profundidade. Eu, por exemplo, sinto mineralidade, toques florais e algumas frutas, já a Bru consegue sentir qual é a flor ou a fruta.

 

Aqui, eu gosto de pegar o nariz e enfiar na taça mesmo. Tem pessoas que são mais delicadas e só aproximam o nariz. A realidade é que você deve fazer a melhor forma para você sentir os aromas e curtir essa brincadeira.

 

A Marnie Old, autora do livro Vinhos - Aprenda na prática a degustar a bebida, diz que as descrições podem ser Diretas ou Indiretas. Diretas são os fatos comuns a todos, por exemplo, aroma doce, forte presença de carvalho, intensidade forte. Já as descrições Indiretas são provenientes da experiencia de cada um, como, por exemplo, aroma de amoras cozidas, com notas de grafite e solo de bosque. Já apareceu cada coisa em degustações... melhor nem falar aqui. De novo: se divirta!

 

 

Finalmente... a boca!

 

Quanta coisa já se passou e você nem colocou a taça na boca! Ler demora mais do que a prática, te garanto. Em segundos você irá girar, olhar, sentir o aroma e agora provar....

 

Na boca observe três momentos: o ataque, que é logo que o vinho entra na boca, a presença, que é enquanto o vinho fica na boca antes de engolir e a finalização que é a sensação que fica após o engolir. Fique presente para as sensações de paladar e tato.

 

Na boca sinta o corpo do vinho. Ele é encorpado ou leve? Ele é áspero, aveludado ou sedoso? Imagino que aqui você deve estar pensando: Que viagem, não dá para perceber isso. Repito é experiência e comparação.  Sabe como eu sei que você pode pensar isso? Porque eu pensava!

 

Passe o vinho por toda a boca antes de engolir para analisar Acidez, Tanino, Doçura e Álcool.

A Acidez é capturada na lateral da língua. Depois que engolir tenderemos a salivar muito se o vinho for ácido. 

 

O Tanino, que só existe nos Tintos, dá uma sensação de secura na boca, percebidos principalmente nas gengivas.

 

A Doçura é percebida na ponta da língua.

 

O Álcool é sentido na língua e na garganta, após engolir deixando uma sensação de calor.

 

Agora avalie se esses 4 itens são leves, médios ou presentes (alguns dizem intenso).

 

Pronto, agora saboreie o vinho, curta seus amigos ou aprecie seu momento.

 

DICA 1: Eu gosto de passar o vinho pela boca uma vez e depois tomar outro gole para sentir o vinho. É como se preparássemos a boca para receber o vinho. Fica a seu critério.

 

DICA 2: Não seja o enochato! Em amigos, seja breve nas suas comparações e análises. Se todos estiverem no processo, curta com eles, dê risadas das percepções de cada um. Se só você estiver na vibe de degustar, tire um momento para você e volte pro grupo, pois o vinho é uma parte da